17 de novembro de 2008

Eu não sou Chico mais quero tentar.

As coisas chegaram num ponto em que o destino se tornou sagaz e facilmente destrutível. Imagina só: Você tem dois dias pra matar quem você quiser, fazer com que alguém veja a grama crescer por baixo e ainda rir baixinho enquanto esfaqueia alguém! DANG LIKE THAT. Parece que soa perfeitamente no ouvido de quem quer que seja. Até praquele velhão que desistiu de pular no pescoço do menino margarina.

"...retornando ao bang fulgaz que eu disse a uns dias atrás"

Bom, pelo o que meu olho míope conseguiu enxergar até agora, o tiozão old school tá armando alguma pro garotinho. Esse velho é tipo aqueles que senta na pedra de madeira lá nas planícies montanhosas e acha que eles erraram as contas dos pecados capitais. "Sete pecados? Que calúnia! Os pecados são só dois: Dinheiro e mulher". Mas pensando bem...Que porra de mulher e de dinheiro que esse tiozão tem? Tem uma véia carcomida com a barriga queimada de óleo e com umas estrias monstruosas de tanto filho que a coitada sofreu pra parir. E dinheiro eu nem comento, tá trabalhando pra ganhar 600 reais por mês e ainda ouvir bosta de burguesinho metido a fodão.
Aquele velho parecia o palhaço de um circo sem futuro. Aqueles pais que os filhos tem vergonha de assumir pros amiguinhos, quer dizer, de assumir pra todo mundo mesmo. Mas que se foda, o palhação vai se vingar agora! Ele tem 48 horas pra matar quem quer que seja, qualquer um que aparecer na frente dele...E por quê? Porque Deus deixou. Deus deixou que ele fizesse isso só pra não levar a culpa de ter matado mais um neguinho da periferia niegra de Sampa Hills. (Aliás, dia 20 é Dia da Consciência Negra!)
Mas imagina se lhe fizessem uma proposta dessa...Quem você mataria primeiro? Seu chefe, sua amante vagabunda, seu marido infiel, seu amigo traíra ou alguém que você ama demais? Depende. Tem gente que é egoísta a ponto de matar alguém que ama só pra não dividir nem com o seu próprio eu. Mas aí entram várias paradas de psicologia e eu não sou nada pra julgar ninguém.(1)
Finalmente se aproxima do tiozão a primeira vítima: o tal do Yasuda margarina. Ele sabia onde o molequinho gostava de se divertir a noite, onde ele ia comer aquela gostosa que sempre estava com ele. E aquele arco-íris diabólico surgiu na mente do véiaco com apenas uma coisa escrita: KILL KILL KILL! Ele parecia um yankee louco por sangue. Um sociopata decadente. Um jogador de Counter Strike que leva isso pro mundo retardado em que a gente vive. E então veio o tal do margarina no final da rua e sorrateiramente o velho sai andando na direção do bixinho. E lá vem a primeira pancada: Taco de beisebol com um spike na ponta. PÁÁÁÁÁ. Um puta barulho ensurdecedor. Diréééééto na jaca do infeliz. A vagabunda saiu gritando igual uma puta mesmo (com aqueles gritinhos histéricos) e nem quis saber do margarina. Viu: BINGO! Lá se vai a primeira coisa que o velho fez o molequinho perder: A GOSTOSA.

...Depois eu continuo isso, porque agora eu vou surtar sozinha.
Beijos.

(1): Eloá, esteja em paz.

PS IMPORTANTÍSSIMO: Vi, não me mate por não ter terminado de contar a morte do menino Margarina. ;*

Um comentário:

Vii disse...

fika calma q eu ñ te mato mas tem q terminar logo q se ñ eu tenhu um treco devido ao meu disturbio de ansiedade, mata logo o margarina aviadado, e finaliza com felizes para sempre huahuahuahau bjusss